CINASE Fortaleza

CINASE Fortaleza

Esta é a primeira cidade a receber o evento em 2018. O congresso passará ainda por Canoas (RS), Rio de Janeiro (RJ) e uma edição extraordinária em São Paulo (SP).

Composto por congresso e área de exposição, o CINASE aborda temáticas que envolvem desde a geração até a instalação elétrica final de baixa e média tensão. Em Fortaleza, a energia renovável foi destaque no primeiro dia do evento. O diretor da Enel Brasil, Bruno Cecchetti, abriu a programação com uma palestra sobre inovação na área de distribuição e falou sobre o novo consumidor de energia, que é impactado pelas novas tecnologias que estão transformando a sociedade, como digitalização, mobilidade elétrica, redes inteligentes, armazenamento de energia e indústria 4.0. Cecchetti apontou para o novo “prossumidor” de energia, que não é mais apenas receptivo, mas participativo, que terá maior controle sobre o uso da energia, que terá a disponibilidade de outros players para oferta de energia, não sendo mais dependente do fio. A Enel vem se preparando para essa nova realidade, pensando e executando projetos que vão ao encontro dessa transformação que vem ocorrendo no mundo. O executivo aproveitou a oportunidade para falar sobre projetos, como a planta dessalinizadora do Ceará, que está sendo construída para contribuir com o abastecimento do sistema de resfriamento do ciclo de vapor frente ao iminente colapso do fornecimento de água no Estado. 

O presidente da Câmara Setorial de Energias Renováveis do Ceará, Jurandir Picanço, foi um grande apoiador do evento e agregou à programação com uma palestra que apresentou um panorama mundial e brasileiro das fontes de energia renováveis e geração distribuída. Lembrou, em sua apresentação, dos compromissos para 2030 assumidos pelo Brasil no que diz respeito à energia: expansão do uso de outras fontes renováveis de energia, que não hidroelétrica, entre 28% e 33%; e aumento da cota das energias renováveis (além da hidroelétrica) no fornecimento de energia elétrica para, pelo menos, 23%. Apontou o Estado do Ceará como líder da região Nordeste em geração distribuída.

O homenageado na noite anterior, durante o Prêmio OSE, João Mamede Filho e seu filho, Daniel Ribeiro Mamede iniciaram os debates mais técnicos do primeiro dia, apresentando um trabalho sobre compartilhamento de perdas em linhas de transmissão em parques eólicos.

 As palestras que se seguiram abordaram temas, como operação e manutenção de subestações; microrredes inteligentes; transformador elétrico e o meio ambiente; especificação de painéis elétricos de média tensão e qualidade de energia.

 A novidade do segundo dia do congresso foi a participação, pela primeira vez no evento, do engenheiro Paulo Barreto, especialista renomado em instalações elétricas de baixa tensão. Barreto abriu o segundo dia do evento com uma apresentação sobre a ABNT NBR 5410, norma que está em revisão técnica atualmente.

 “As palestras que vi até agora foram dadas por profissionais de renome, que trouxeram novas formas de operação, que trazem novidades. Este mercado de energia sempre tem novidades e são nesses lugares que a gente consegue se atualizar. Quem vem para cá já vê de forma condensada as novidades, aplicadas em produtos”, avaliou o eng. Mamede.

 As palestras dos especialistas são intercaladas com mini palestras técnicas feitas por convidados da indústria, que aproveitam o espaço para apresentar, tecnicamente, novas tecnologias e aplicações de soluções que tenham relação com as apresentações principais.

O congresso conta com a coordenação dos engenheiros Jobson Modena, especialista em proteção e aterramento, coordenador da comissão que revisou a recém-publicada ABNT NBR 5419 (SPDA), e José Starosta, especialista em eficiência energética, membro das diretorias do Deinfra/Fiesp e da Sociedade Brasileira de Qualidade de Energia (SBQEE).

 Para promover o networking e facilitar a comunicação entre participantes, palestrantes e empresas expositoras, o evento conta com uma ferramenta interativa para auxiliar os participantes antes, durante e depois do congresso. Com o aplicativo, que leva o nome do evento, os congressistas conseguem fazer perguntas e os palestrantes respondê-las, além de permitir ações promocionais e fomentar o relacionamento entre todos os participantes: congressistas, palestrantes, organizadores e patrocinadores do evento.

Deixe seu Comentário